quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Paixões Agitadas - Jill Mansell, opinião


Título Original: Mixed Doubles
Autora: Jill Mansell
Editora: Edições Chá das Cinco
Número de Páginas: 368

Sinopse:
 
O ano novo aproxima-se e Liza, Dulcie e Pru já tomaram as suas resoluções. Quando se atinge a casa dos trinta, está na hora de dar um novo rumo à vida!
 
Liza quer casar-se. Não tem ninguém em mente, mas atrair homens interessantes nunca foi difícil para si. O problema é que não consegue manter-se interessada neles depois de os conquistar.
 
Dulcie acha que o casamento é uma chatice. O seu marido até é lindo, espirituoso e charmoso, mas Dulcie quer desesperadamente mais emoção na sua vida e está decidida a divorciar-se. Pru tem tanta autoestima como uma esfregona de chão. Adora o marido aventureiro e não consegue imaginar a sua vida sem ele. Mas conseguirá manter o casamento?
 
Que planos matreiros e maliciosos tem o destino, para três amigas que acham que sabem o que querem?
 
Opinião:
 
Em mais um romance pautado por muitas gargalhadas e momentos hilariante, Jill Mansell apresenta-nos três amigas, que não podiam ser mais diferentes entre si: Liza é confiante e bem sucedida, o seu charme atrai qualquer homem, contudo nenhum se revelou o certo. Dulcie é esfusiante e tem bom coração, porém nem sempre as suas boas intenções são bem sucedidas. Pru é a mais contida das três, mas tem em si uma força e coragem que são postas á prova quando menos espera. 
 
Como bem dita o fim de um ano e o virar de uma nova página, estas três amigas formulam resoluções para que as suas vidas sejam melhores: Se por um lado Liza se quer casar, Dulcie quer trocar o marido maravilhosamente enfadonho por novas aventuras, e por seu lado Pru deseja manter-se casada. Escusado será dizer que, quando se trata de uma obra de Jill Mansell, o inesperado está ao virar da esquina, e tudo corre menos como o planeado.
 
Á medida que o enredo se desenrola, acompanhamos o desenvolvimento de cada personagem, da sua personalidade, amores, dramas e confusões, e o seu crescimento, e é curioso como Jill Mansell consegue tecer a história de cada uma numa malha divertida e inteligente, interligando-a nos pormenores mais inesperados. Ao ponto de nos questionarmos de que forma é que o mundo pode ser como uma ervilhinha, e de nos surpreender até na última página. Não esperava mesmo determinadas situações, uma das quais me levou a devorar os últimos capítulos, para terminar num Ahhhhh! acompanhado de um profundo suspiro.  
 
Este foi um livro que me surpreendeu, pois não esperava deixar-me envolver por algumas personagens, mas o certo é que além das inúmeras gargalhadas que dei, este foi um livro que me cativou e mereceu o seu lugar na estante.
 
Classificação: 4/5

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Tenho o teu núm3ro - Sophie Kinsella, opinião


Título Original: I've got your number
Autora: Sophie Kinsella
Editora: Quinta Essência
Número de Páginas: 420

Sinopse:

Dez dias antes do casamento, Poppy perde o anel de noivado. Desesperada, Poppy começa a telefonar a toda a gente para pedir ajuda e alguém lhe arranca o telemóvel da mão! Também o roubaram! Como irão agora avisá-la se encontrarem o anel? E, imediatamente, Poppy vê um telemóvel num caixote do lixo, um telemóvel abandonado de que ela precisa urgentemente. Poppy dá o seu novo número a todos os amigos e também atende as chamadas recebidas e lê as mensagens endereçadas à anterior proprietária, a secretária (que acaba de se demitir) de Sam Roxton, um empresário importante. Enquanto continua à procura do anel, Poppy mantem-se em contacto com Sam Roxton, o novo proprietário do telefone. Sam vai deixá-la ficar com o aparelho, desde que ela lhe reencaminhe todas as mensagens que receber, mas às vezes Poppy responde por Sam em assuntos profissionais e também pessoais. Não se contém. Sam também começa a opinar sobre a vida de Poppy, o seu casamento, sobre os sogros e até sobre o noivo, que talvez, não seja tão maravilhoso como ela pensava.


Opinião:

Para quem me conhece e lê aqui no blogue, sou altamente suspeita quando se trata de algum livro da Sophie Kinsella, porque, na sua grande maioria (ok, quase todos) deliro não só com a sua escrita alegre e refrescante, mas também com a maneira como aborda certas temáticas, envoltas em romance. E neste livro, que já andava super curiosa para ler, não foi nenhuma excepção.
 
Poppy está prestes a dar um passo importante na sua vida, vai casar com um homem maravilhoso, mas a sua não tão maravilhosa família, não vai ficar certamente radiante quando descobrir que perdeu a relíquia de família. Pois é, num abrir e piscar de olhos, a vida de Poppy sofre uma reviravolta que inclui um anel e o seu telemóvel roubados.
 
A partir daqui e do que a sinopse revela, a jornada de Poppy reúne os ingredientes necessários para mais um romance que tem tudo para ser animado e atribulado. Ponha a mão no ar quem é que já se viu aflito e viu a sua vida a andar para trás por ter perdido o telemóvel? (também conta quando se perde no vale dos lençóis e acordamos a meio da noite atarantados á sua procura) Eu, eu, eu! Actualmente, é comum colocarmos praticamente a nossa vida nas tecnologias, é normal recorrer ao telemóvel para consulte um contacto, um evento, uma morada, n coisas que fazem sentido na nossa vida,  contudo não me imaginava a partilhar um telemóvel com um perfeito estranho.
 
Mas é essencialmente esse pormenor que torna esta história deliciosamente interessante. Poppy faz um acordo com o seu dono, o bem sucedido Sam Roxton,  que lho empresta até recuperar o anel de noivado, mas em troca terá de reencaminhar rápida e eficientemente todas as mensagens que receber.
Á medida que estas duas personagens se vão conhecendo, a autor também revela a características que as tornam tão humanas como reais. Poppy apesar de jovial e sempre prestável, esconde as suas inseguranças, preocupando-se em demasia com os que os outros pensam de si, ao mesmo tempo que evita conflitos e tenta agradar a todos, colocando-se em segundo plano. Por sua vez, Sam que aparenta ser frio e demasiado directo, revela uma faceta mais calorosa.
 
Com o desenrolar da história, ambos apercebem que têm muito a aprender um com o outro, o que vai gerar alguma confusão em Poppy, pois no fim do dia terá uma decisão a tomar, a qual irá influenciar o seu futuro...
 
Tenho o teu núm3ro, é um romance em que o leitor se deleita com as mais variadas e caricatas situações, e por entre sorrisos e gargalhadas, acompanha as reviravoltas em que os protagonistas se vêem envolvidos. Parte de mim não resistiu em identificar-se com a doce e desvairada Poppy, e talvez tenha sido por isso que adorei o livro!
 
Classificação: 5/5


sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Sê bem-vindo 2016

Boas entradas a todos!
 
Desta vez, juntei-me com uns amigos e resolvi entrar com o pé direito no novo ano em terras alentejanas!
 
Adoro a sua quietude e tranquilidade, mas desengane-se quem pensar que foi o que mais reinou por lá eheh Ainda levei um livro comigo mas não adiante muitas páginas tal foi a azáfama que preencheu esses dias.
 
Curiosamente, não comi passas, nem derivados (uvas, smarties, ou o que convier mais aos gostos e imaginação de cada um) nem tão-pouco defini resoluções a concretizar ao longo do ano.
Para ser diferente dos outros  anos, apenas desejo conseguir focar-me na faculdade, descomplicar-me a nível pessoal, e dedicar mais de mim ao blogue, que, coitadinho, tem sido negligenciado com a falta de tempo.
 
A todos vós bom ano e acima de tudo boas leituras!
 
 
 

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Beijo - Jill Mansell, opinião

http://3.bp.blogspot.com/-ue3N7HitV_o/UYpdnCb0BaI/AAAAAAAAHuo/EgKXpMMolk8/s1600/Beijo.jpg 

Título Original: Kiss
Autora: Jill Mansell
Editora: Edições Chá das Cinco
Número de Páginas: 368

Sinopse:

Izzy um dia vai ser famosa. A indústria da música é que ainda não a descobriu. A irrepreensível Izzy tem um talento fascinante, dois namorados perfeitos e uma filha para lhe organizar a vida. Basicamente, uma vida de sonho.

Já a vida de Gina não podia ser mais infernal. O cretino do marido acaba de fugir com a amante grávida. E ela sente-se destroçada quando derruba acidentalmente Izzy da sua moto. Porém, não é propriamente o fim do mundo, pois não? Apenas uma perna partida.

Mas o mundo de Gina, como ela o conhece, está prestes a ficar de pernas para o ar. Izzy e a filha Kat foram catapultadas para dentro da sua vida, antes tão metódica. Pior, Izzy está de olho no melhor amigo de Gina, Sam, que é lindo de morrer. Como acabará tudo? Numa torrente de lágrimas ou num beijo inesquecível?


Opinião:
Mil anos depois da ultima vez que escrevi no blogue, e, mais importante, do último livro que li (blasfémia!), cá estou eu de novo.
Uma autêntica vergonha, eu sei, mas para me redimir trago-vos mais uma opinião.

Á primeira vista, a capa de tons alegres assim como o titulo, parecem fazer jus á sinopse que os acompanha, ou seja, no seu todo a autora Jill Mansell cria um enredo envolto na maior das confusões. O que não é necessariamente algo mau, considerando as várias gargalhadas que dei ao longo do desenrolar da história.
O inicio é pautado com o caracteristico bom humor á medida que as desgraças se dão e as personagens se entrecruzam, entrando na vida umas das outras, temporaria e por vezes, permanentemente.

Gina viveu a sua vida devotadamente ao marido que não tem a minima decência e lhe confessa o caso frutifero com a amante gravida. Ponto número 1, seria de esperar que este espécimen saisse rapidamente de cena, mas ao bom estilo novelesco, ainda vai causar mais danos. Adiante, ponto número 2, se estiver emocionalmente alterada não conduza - sugestão que pode ajudar a prevenir acidentes, como a meio da noite a Gina chocou com o turbilhão Izzy. Mas neste caso ninguém poderia prever o rol de acontecimentos mais rocambolescos que se viriam a desenrolar.

Izzy é cheia de vida, leva uma vida despreocupada, mas ambiciona o estrelato como cantora. E tem uma filha que em nada se parece consigo: com 17 anos, Kat é um pequeno prodígio, inteligente e demasiado dedicada aos estudos para reparar no sexo oposto. Mas nada neste livro é estanque e a partir do momento em que Izzy e Kat entram na vida de Gina, tudo pode acontecer.
Por entre as várias personagens que vão sendo introduzidas, o enredo toma, por diversos momentos, contornos dignos de uma verdadeira telenovela mexicana. Demorei praticamente três semanas a ler este livro, porque senti que certas partes eram um pouco repetitivas e cansativas... mas lá está, o drama é um componente e, de certo modo, unifica as pontas soltas que resultam num desenlace improvável, embora dispensasse algumas partes.

Mas enfim, já há muito tempo que não lia nada da autora, e em boa verdade, shame on me, já não pegava num livro (que não fossem sebentas e molhos de apontamentos da faculdade) há muiito tempo, mas no geral foi uma leitura agradável e, não sei bem como, acabei por me rever um pouco em algumas personagens - e quando somos confrontados com alguns aspectos acabamos por reflectir e pensar se queremos continuar em determinado comprimento de onda. Como tal, "Beijo" tem de tudo um pouco e um convite a quem o quiser ler.

Classificação 3/5